Os Autores dos artigos aqui publicados estão devidamente identificados pelo editor.
31 de Agosto de 2006

Salvar e defender o estado social


 


O "desafio central" que se coloca a um partido de esquerda moderna como o PS é salvar o Estado social, "o que só é possível com reformas que garantam a sua sustentabilidade", afirmou o ministro da Presidência e dirigente nacional do PS, Pedro Silva Pereira, no plenário de militantes da Federação do Porto. "Não podemos fazer como à nossa esquerda, que querem que tudo fique na mesma, nem como defendem à nossa direita, onde se propõe desmantelar o modelo social e enviar as pessoas para as mãos das seguradoras", disse.


 


Por outro lado, Pedro Silva Pereira alertou o PS para a sua "responsabilidade histórica" de aproveitar a primeira maioria absoluta que obteve para cumprir as promessas eleitorais que fez. "Uma coisa que não pode acontecer é o PS não estar à altura dessa responsabilidade histórica. Queremos chegar ao fim da legislatura, olhar nos olhos os portugueses e dizer que cumprimos", disse. O ministro da Presidência fez um balanço dos "quinze meses e três semanas" de Governo de José Sócrates, considerando que neste período foi levada a cabo uma "ofensiva contra a burocracia como nunca tinha havido".


 


E apontou exemplos como os da "empresa na hora", que, sublinhou, "agora já não é na hora mas em apenas 55 minutos". "Esta inovação era considerada impossível por muitos, mesmo em países desenvolvidos que agora vêm cá ver como fizemos para também adoptar a medida", referiu. Pedro Silva Pereira lembrou ainda os investimentos que o Executivo tem captado em moldes "como não havia em Portugal há 20 ou 30 anos", e a modernização da Administração Pública, nomeadamente através do PR ACE (Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado) e das novas leis orgânicas dos vários ministérios.


 


"Houve uma redução global de organismos e a criação de alguns, nos casos em que o Estado precisava de dar uma resposta mais eficiente", disse, acrescentando: "Não estamos aqui para dar um corte cego na Administração Pública. Só fazendo a avaliação organismo a organismo é que se saberá se há pessoas a mais ou não". Sobre os recentes indicadores económicos, o dirigente socialista garantiu que, apesar do desemprego ter aumentado, em termos percentuais, 0,2 por cento no primeiro trimestre de 2006 em relação ao período homólogo do ano anterior, foram criados 32 mil novos postos de trabalho. E sublinhou que quando o Governo entrou em funções a economia encontrava-se numa curva descendente, e "há meses que regista uma trajectória positiva, ainda que moderada".

publicado por PS Seia às 11:31

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Agosto 2006
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
26
27
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
13 comentários
11 comentários
10 comentários
7 comentários
7 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
4 comentários
4 comentários
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Caros Amigos,Aproveito a oportunidade para desejar...
NÃO ADMIRA QUE O PSD ESTEJA NESTE ESTADO. VEJAM QU...
ESTES COMENTÁRIOS JÁ EESTÃO FORA DE MODA. O PRESI...
O PARTIDO SOCIALISTA tem todas as condições para ...
O PARTIDO SOCIALISTA tem todas as condições para ...
O PARTIDO SOCIALISTA tem todas as condições para ...
O PARTIDO SOCIALISTA tem todas as condições para ...
O PARTIDO SOCIALISTA tem todas as condições para ...
Hoje no frente a frente da SIC Notícias tive opor...
Pior era não fazermos nada! E o PS ficará sempre ...
blogs SAPO